Com a atual crise financeira do país provinda dos efeitos negativos da pandemia mundial de Covid-19 sobre a economia, o Banco Central com atuação do Comitê de Política Monetária (Copom), desde o início de 2021, vem atualizando a Taxa Selic (taxa de juros), a qual sofreu aumento considerável diante dos anos anteriores.

           Tal aumento é ocasionado justamente para conter o avanço da inflação que tem atingido todos os produtos e diminuído o poder de compra dos brasileiros, porém, para suprir uma necessidade, uma outra situação acaba sendo gerada. Portanto, surge a pergunta que muitos de nós nos indagamos: “a alta da taxa Selic torna inviável o empréstimo consignado e demais linhas de crédito?”

           Antes de responder tal questão, vale relembrar os valores que a taxa Selic vem atingindo nos últimos meses, sendo: março (2,75%); maio (3,50%); junho (4,25%) e agosto (5,25%). De acordo com os estudos financeiros, entende-se ainda que a inflação tende a aumentar e, como consequência, a Selic também a acompanhará.

           Segundo o Copom, tendo em vista que a variante Delta da Covid-19 ainda tem causado preocupações e gerado restrições à economia, a alta da inflação tende a incomodar a vida dos brasileiros, mas que a expectativa é que caia pela metade nos anos posteriores, e, com isto, a taxa de juros também tenderá a ser reduzida.

           Na verdade, então, sobre a pergunta feita por nós, não. A alta atual não será tão negativa ao empréstimo consignado. Vou explicar a você o porquê. Como houve a alta da taxa de juros, consequentemente ao realizar o empréstimo os valores estarão mais elevados, porém, o empréstimo consignado sempre se tratou de uma modalidade que não gera riscos significativos aos bancos, pois no caso de funcionários públicos, segurados do INSS e até mesmo profissionais que as empresas possuem vínculo para efetuação do empréstimo, o valor das parcelas é debita automaticamente do benefício e do salário, sendo assim, o risco de inadimplência é praticamente nulo, portanto, apesar da elevação da Selic, os valores não subirão tão consideravelmente a ponto de prejudicar que o empréstimo ocorra ou que o valor a ser retornado ao fim seja tão alto.

           No histórico nacional, a taxa de Sistema Especial de Liquidação e Custódia, mais conhecida como Selic, chegou aos altos números de 15,75% a.a. em 2006 e 14,25% a.a. em julho de 2015, mas caiu constantemente nos anos seguintes. Já ao início de 2020, a mesma se encontrava em um valor histórico de apenas 2%, sendo assim, é possível perceber então que o índice continua interessante aos consumidores, diferentemente do susto que levamos quando ouvimos falar sobre o aumento das taxas.

           Vale lembrar, então, que a alta dos juros não é algo constante, assim como a inflação, com o tempo e fuga da crise, tende a diminuir. O mercado financeiro possui ciclos, e, no momento de crises, ele se adapta para sobreviver, assim como nós. De tal forma, as instituições financeiras também não repassam os valores readaptados de forma drástica, pois poderia afugentar consumidores que são de suma importância para a sobrevivência das próprias instituições.

           Para tanto, é importante pesquisar e conhecer as taxas do mercado, buscando encontrar os menores juros e sabendo de forma transparente o valor total a ser pago ao final. Além do mais, a possibilidade de efetuar um empréstimo consignado no conforto da sua casa de forma 100% segura e online, simulando e encontrando os valores que melhores se enquadram ao seu perfil, são vantagens que apenas a Solução Crédito Online pode oferecer a você. Consulte nossa plataforma, caro leitor, e conheça um pouco mais das oportunidades existentes.