Com a atual evolução tecnológica digital, novas propostas para solucionar problemas logísticos e financeiros veem surgindo em nossa contemporaneidade. Um dos conceitos que tem estado em grande notoriedade na mídia é o Open Banking do qual falaremos aqui um pouco e um outro conceito que se assemelha em grande parte, mas possui um foco diferente, vindo para complementá-lo, este seria o Open Finance.

Tantos nomes diferentes, nada mais do justo que do explica-los, não é mesmo? Pois, vamos lá. No início de 2021, com supervisão do Banco Central, as instituições bancárias começaram a aplicação do Open banking, o qual, por meio de um sistema unificador conhecido como API, proporciona aos bancos físicos, digitais e fintechs a possibilidade de trânsito de dados pessoais e financeiros de seus clientes de forma transparente e segura entre as instituições. Mas não se preocupe, os dados só poderão ser compartilhados caso haja a permissão ou pedido prévio do cliente.

Esta medida serve para democratizar serviços e retirar a burocracia envolvida nas atividades bancárias. O cliente se tornará livre para escolher, por exemplo, sem dificuldades de acesso, onde deseja adquirir uma linha de crédito, em que local possuir contar bancária ou mesmo investir, sem necessitar levar todas suas informações de um banco ao outro para comprovar sua legalidade e a não possibilidade de inadimplência. 

De tal forma, uma vez que o cliente ou consumidor tem a possibilidade de mover-se sem dificuldades entre as instituições bancárias, o aumento da competitividade de serviços e a existência, consequente, de menores taxas, facilitará ao cliente usufruir de melhores serviços que irão gerar ainda mais conforto e satisfação financeira, causando, portanto, maior renda no mercado financeiro e escalando a economia do país.

Além disto, haja vista o sistema unificado dos dados, a segurança dos mesmos será ainda melhor e o sistema tenderá a evoluir-se e se tornar um ambiente ainda mais seguro após sua completa implementação.

O projeto é proposto em 4 etapas, sendo que duas já foram adicionadas: 

Fase 1 - (Início em: 01-02-2021) – compartilhamento de produtos, serviços e taxas, sem participação do consumidor e supervisionada pelo Banco Central;

Fase 2 – (Início em: 15/07/2021) – As Instituições podem realizar o compartilhamento de dados entre si caso haja solicitação prévia do consumidor. Os dados seriam: nome, CPF, CNPJ, telefone, endereço, informações financeiras, tarifas e afins).

Fase 3 – (Início em: 30/08/2021) – Possibilidade de utilizar outros meios para efetuar pagamentos, como por exemplo o WhatsApp, iniciando uma transferência bancária.

Fase 4 – (Início em: 15/12/2021) – compartilhamento dos dados para ambientes além das instituições bancárias e fintechs, alcançando empresas e serviços de outros setores, mas relacionados a finanças.

A partir de então, começa-se a acrescentar o conceito de Open Finance, uma vez que poderemos posteriormente utilizar, por exemplo, um aplicativo que não é da esfera financeira, para iniciar um processo de transferência bancária e, logo em seguida, podermos compartilhar nossos dados a outras empresas que se vinculam ao mundo financeiro, mas não necessariamente são instituições bancárias, como no caso de corretoras, fundos de previdência, companhias de câmbio e afins.

Vale lembrar que quando falamos de dados transitados, estamos falando dos seguintes: nome, RG, CNPJ, CPF, número de contato, endereço, informações de valores, tarifas e afins, entretanto, existirá uma maior proteção de seus dados e a veiculação dos mesmos só acontecerá caso seja requisitado ou permitido de forma prévia. Em acréscimo a existência da Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD) também garante a proteção do cliente caso haja alguma irregularidade. 

Ainda, como vantagem ao cliente, além da diminuição de muitos valores e taxas graças à competitividade a ser criada por este novo sistema, a modificação não irá acarretar cobranças ao consumidor.

Portanto, Open Banking e Open Finance são conceitos diferentes que se completam e propiciam: melhores experiências ao usuário, democratização de dados, evolução tecnológica digital, além de movimentar positivamente o mercado financeiro.

Quer saber mais sobre esta e outras notícias? Continue acompanhando nossas postagens que estaremos sempre em prontidão para retirar qualquer dúvida e comunica-los sobre novas mudanças.