Sempre nos encontramos pensando: “e se eu tivesse um pouco de dinheiro a mais” ou até “como eu gostaria de fazer ou comprar tal coisa”, não é mesmo? Vivemos imersos em nossas vontades, mas as contas do dia a dia nos seguram.

          O sonho de comprar um carro ou mesmo trocar o que já se tem por um mais novo; a vontade de comprar aquele objeto novo para casa, deixando-a mais bonita, moderna e confortável; com a vacinação em andamento e o controle do COVID-19, finalmente fazer aquela viagem que tanto se aguardou; ajudar algum amigo ou familiar em um momento difícil de dívidas; ou mesmo nos ajudar quitando dívidas que tanto nos atrapalham.

          São tantas as possibilidades e eu tenho certeza que você se enquadra em alguma delas e eu sei disso pois eu também me enquadro.

          Atualmente vivemos um momento de crise, sanitária e hídrica, a qual consequentemente também se faz energética, sem contar a crise política que também acarreta diversos problemas econômicos em nosso país. Mas, caso viajemos pelo passado, o Brasil e até alguns de nós sobrevivemos a momentos conturbados como esse.

          E a vida continua e precisamos continuar traçando nossos objetivos, para tanto, muitas vezes optamos por um adicional em nossa renda e os empréstimos são a saída mais comum, sejam para as pessoas físicas em suas particularidades ou para as pessoas jurídicas em seus empreendimentos.

          Com relação a algumas linhas de crédito, como o cheque especial ou o cartão de crédito, os juros são elevados e podem descontrolar toda nossa economia mensal, entretanto, existente outras modalidades com juros menores e super atrativos ao mercado, como por exemplo: o empréstimo consignado e o empréstimo FGTS.

          Mas, qual a taxa referente a esses empréstimos e por que elas são mais baixas que as demais modalidades de crédito? A taxa relacionada aos juros em nosso país controlada pelo Banco Central chama-se Sistema Especial de Liquidação e de Custódio, para os mais íntimos, Taxa Selic. Atualmente, a taxa encontra-se em 5,25% e há perspectiva de maior crescimento (entre 7% a 8% até o fim do ano), uma vez que a mesma é utilizada para controlar a elevação dos preços de produtos ocasionada pela inflação. Ademais, a taxa das modalidades citadas tende a ser mais baixa, pois os bancos possuem menos riscos de inadimplência, haja vista que o débito das parcelas é executado direto na folha de pagamento ou benefício (no caso do empréstimo consignado) e direto no saldo do fundo de garantia (no caso do empréstimo FGTS).

          De tal forma, as instituições bancárias em geral utilizam-se da Selic para definir quais serão as taxas de juros sobre seus empréstimos e demais serviços, existindo então diversas possibilidades de valores.

          Mas em que lugar posso consultar estas taxas? Na Solução Crédito Online, seja para você que deseja realizar o empréstimo consignado ou o empréstimo FGTS, valendo-se sempre que há determinadas características para realizar estas opções, você pode verificar as melhores propostas. Nas determinadas plataformas é possível realizar a simulação de seu empréstimo, escolhendo os valores desejados de retirada e sabendo qual o valor final a ser pago. Ainda, a Solução Crédito Online apresenta a você diversas instituições parceiras e suas respectivas taxas, tendo um leque de opções para que escolha a que se encaixe melhor ao seu perfil de consumidor.

O contrato de empréstimo pode ser efetuado de forma online e segura, sendo seus dados assegurados pela Solução e pela Instituição bancária que realizará o empréstimo. No caso de envio de documentos, o mesmo pode ser enviado de forma digital e o contrato também estará disponível digitalmente.

          Também, a plataforma é de uso simples e bem intuitiva, porém, caso precise de mais informações, basta entrar em contato pelas redes sociais da empresa ou pelo número de telefone, sendo que estas informações se encontram no rodapé do site. Aguardamos seu contato.